Ir para o conteúdo

Prefeitura Municipal de Santo André e os cookies: Nosso site usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Ao continuar você concorda com a nossa Política de Cookies e Privacidade.
OK
Prefeitura Municipal de Santo André
Acompanhe-nos:
Rede Social Facebook
Rede Social Instagram
Rede Social Youtube
Notícias
Enviar para um amigo!
Indique essa página para um amigo com seus dados
Obs: campos com asterisco () são obrigatórios.
Enviando indicação. Por favor, aguarde...
JAN
25
25 JAN 2023
SAÚDE
Santo André atende casos complexos de ortopedia infantil com parceria entre CHM e Reabilita
enviar para um amigo
receba notícias
Crianças com pé torto congênito e outras deformidades são atendidas por equipe composta por três médicos especialistas
Santo André, 25 de janeiro de 2023 – Uma força-tarefa realizada pelo Reabilita em parceria com o CHM (Centro Hospitalar Municipal) tem atendido casos complexos de ortopedia pediátrica em Santo André. Os pacientes, encaminhados pelas unidades básicas de saúde, Hospital da Mulher ou outros serviços médicos da cidade, são avaliados por equipe composta por três médicos do Reabilita e as cirurgias acontecem aos sábados, no CHM. Desde o início da iniciativa, em setembro de 2022, já foram realizados 254 atendimentos.
 
A ação atende pacientes com diversas queixas, entre elas pé torto congênito, polidactilia (um dedo a mais), displasia de quadril e outras deformidades. Após avaliação, as crianças têm os membros engessados até que a junta médica avalie o momento mais adequado para a cirurgia. No último mutirão, realizado em 7 de janeiro, foram três cirurgias em plantão que durou 12 horas.
 
“Fazemos uma avaliação criteriosa de cada caso. Alguns já chegam para nós e sabemos de imediato que é necessário um procedimento cirúrgico, outros colocamos gesso e vamos avaliando a evolução do paciente que pode indicar processo cirúrgico ou não”, explica o ortopedista pediátrico Caio Mendes Dias, que atua ao lado das também ortopedistas pediátricas Tatiana Ciolac e Gisele Leite.
 
“Esses procedimentos antes eram realizados apenas pela rede estadual e os pacientes tinham que enfrentar longas filas. Com a criação deste núcleo estamos conseguindo absorver parte desta demanda dando mais agilidade para o tratamento destes pacientes. Isso só é possível com organização e utilização de forma inteligente dos recursos disponíveis”, destaca o secretário de Saúde, Gilvan Junior. 
 
Os especialistas explicam que o sucesso do procedimento tanto com gesso como do gesso seguido da cirurgia é a continuidade do tratamento. “Nos casos de pé torto congênito, a indicação é de uso de órtese por 23 horas por dia nos três primeiros meses depois da cirurgia e, então, de 14 a 16 horas por dia até completar quatro anos”, explica Gisele. “O pós-cirúrgico é tão importante quanto a cirurgia. Temos alguns casos de pacientes que não seguiram as indicações corretamente e voltaram a ter problemas”, acrescenta Tatiana.
 
O preço das órteses é um dificultador para que as famílias sigam os procedimentos pós-cirúrgicos. Os médicos explicam que os acessórios podem custar de R$ 200 a R$ 800 e são modificados de acordo com a evolução e o crescimento das crianças. “Por isso estamos planejando criar no Reabilita uma oficina de órtese para que possamos oferecer esse equipamento para os pacientes”, finaliza Caio.    
Autor: Anderson Fattori
Seta
Versão do Sistema: 3.2.10 - 11/01/2023
Copyright Instar - 2006-2023. Todos os direitos reservados - Instar Tecnologia Instar Tecnologia