Ir para o conteúdo

Prefeitura Municipal de Santo André e os cookies: Nosso site usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Ao continuar você concorda com a nossa Política de Cookies e Privacidade.
OK
Prefeitura Municipal de Santo André
Acompanhe-nos:
Rede Social Facebook
Rede Social Instagram
Rede Social Youtube
Notícias
Enviar para um amigo!
Indique essa página para um amigo com seus dados
Obs: campos com asterisco () são obrigatórios.
Enviando indicação. Por favor, aguarde...
JUL
20
20 JUL 2022
Hospital da Mulher promove atividades terapêuticas em parto humanizado
Foto Noticia Principal Grande
Alex Cavanha/PSA
enviar para um amigo
receba notícias
Métodos de aromaterapia, cromoterapia, massagem e música relaxante foram adotados para tornar a chegada do bebê ainda mais saudável e especial
Santo André, 20 de julho de 2022 - O nascimento do filho é um momento singular na vida de uma mãe. Por isso, o Hospital da Mulher tem implantado diversas técnicas para que essa experiência seja ainda mais saudável e especial. Com métodos de aromaterapia, cromoterapia, massagem e música relaxante, a chegada dos bebês passou a ser mais humanizada com o acolhimento, estímulo e carinho da equipe de profissionais.
 
“A gestante já chega no acolhimento e é informada que trabalhamos com parto humanizado e sobre as práticas integrativas. Se ela aceitar, vai para o pré-parto passando pelos exercícios para ajudar na evolução do parto e, após esse processo, ela vai para o centro de parto. Temos diversas práticas e percebemos que, dependendo do exercício utilizado, ajuda na evolução da dilatação, tranquiliza a paciente e ocasiona um bem-estar natural”, explica a enfermeira obstetra Bruna Silva.
 
Também são utilizados outros métodos não farmacológicos como banho terapêutico, massagem relaxante, balanço pélvico, bola de pilates, técnicas de agachamento e deambulação.     
 
“Após a internação por trabalho de parto, iniciamos todas as práticas humanizadas. As pacientes são encaminhadas para as suítes e permanecem o tempo todo acompanhadas pelo companheiro ou familiar”, pontua a gerente de enfermagem do Hospital da Mulher, Maria Soledade Rodrigues Nantes.
 
A estudante Caroline Batista Abrósio, de 20 anos, deu entrada no Hospital da Mulher neste mês após ter o rompimento da bolsa gestacional. Com 38 semanas, Caroline foi internada acompanhada do namorado para esperar a chegada da primogênita Maria Júlia. Durante a internação, as práticas integrativas foram iniciadas com cromoterapia, musicoterapia, massagem relaxante auxiliada por bola de pilates e aromaterapia. “Eu cheguei assustada e com muita dor. As dores estão diminuindo e eu estou mais calma e relaxada depois que eu comecei a fazer os exercícios”, diz a estudante.
 
A cromoterapia é um tratamento que estabelece equilíbrio e harmonia entre corpo, mente e emoções por meio das cores. É uma importante terapia complementar indicada na redução da dor, dilatação e controle da irritabilidade durante o trabalho de parto, possibilitando um ambiente mais tranquilo e acolhedor, ajudando também a intensificar as contrações uterinas quando necessário. No Hospital da Mulher são utilizadas as cores azul, verde e vermelho, que possuem diferentes funções durante o trabalho de parto.
 
“É um processo maravilhoso para esperar a chegada da bebê, então a gente precisa passar tranquilidade, massagear, orientar e explicar para ela toda a necessidade desse cuidado para o nascimento ser bem emocionante. As gestantes chegam preocupadas e ansiosas e quando passamos essa energia acompanhada da música, luz e, sobretudo, do acompanhante que sempre está presente para tranquilizar, muda muito o cuidado, que é importantíssimo“, explica a enfermeira Ivane Maria de Freitas.
 
A aromaterapia se une ao processo por meio das Práticas Integrativas e Complementares em Saúde (PICS), e utiliza dos princípios ativos dos óleos essenciais para estimular o relaxamento além de reduzir a dor, ansiedade e estresse.
 
No Hospital da Mulher a gestante escolhe as músicas que serão reproduzidas durante o trabalho de parto, tendo uma experiência personalizada e agradável.
 
Lei do Acompanhante - A Lei Federal nº 11.108, de 7 de abril de 2005, mais conhecida como a Lei do Acompanhante, determina que os serviços de saúde do SUS, da rede própria ou conveniada, são obrigados a permitir à gestante o direito à presença de acompanhante durante todo o período de trabalho de parto, parto e pós-parto.
 
A legislação determina que o acompanhante será indicado pela gestante, podendo ser o pai do bebê, o parceiro atual, a mãe, um(a) amigo(a), ou outra pessoa de sua escolha. Se ela preferir, pode decidir não ter acompanhante.
 
“Estou feliz por acompanhar a Carol nesse momento. Estamos ansiosos para a chegada da bebê”, diz o pai da Maria Júlia, Gustavo Andrade Marcon, de 18 anos.


 
Autor: Rafaela Mazarin
Seta
Versão do Sistema: 3.2.8 - 16/11/2022
Copyright Instar - 2006-2022. Todos os direitos reservados - Instar Tecnologia Instar Tecnologia