Ir para o conteúdo

Prefeitura Municipal de Santo André e os cookies: Nosso site usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Ao continuar você concorda com a nossa Política de Cookies e Privacidade.
OK
Prefeitura Municipal de Santo André
Acompanhe-nos:
Rede Social Facebook
Rede Social Instagram
Rede Social Youtube
Notícias
Enviar para um amigo!
Indique essa página para um amigo com seus dados
Obs: campos com asterisco () são obrigatórios.
Enviando indicação. Por favor, aguarde...
SET
09
09 SET 2022
Caps de Santo André cria grupo de samba em atividade terapêutica
Foto Noticia Principal Grande
Alex Cavanha/PSA
enviar para um amigo
receba notícias
Iniciativa traz vários benefícios como autodisciplina, paciência, sensibilidade, coordenação, além de proporcionar a capacidade de memorização e concentração
Vídeos: https://we.tl/t-RyIVWbyVe2

Santo André, 9 de setembro de 2022 – O Caps Jardim, em Santo André, tem utilizado arte para promover transformação social. Com a criação do grupo Cativa Samba, em todas as sextas-feiras os usuários se reúnem para tocar, cantar e dançar.

A atividade, desde que iniciada, tem mudado o comportamento dos usuários do serviço de saúde, que cantam juntos em uma só voz, dançando sem medo ou vergonha. 

“O intuito do samba é a evolução do paciente que aprende a tocar um instrumento e ter o próprio protagonismo. Eles evoluíram muito, no começo não saia samba, mas hoje temos um samba legal. O projeto é esse. Atualmente o grupo é composto por cerca de 16 pessoas, entre profissionais e usuários. Tinha usuário que não falava, não interagia e não se expressava. Hoje eles estão totalmente diferentes e é essa a nossa intenção”, diz o técnico de enfermagem Ronaldo Alves da Silva. 

A música contribui com o desenvolvimento de inúmeras habilidades como autodisciplina, paciência, sensibilidade, coordenação, além de proporcionar a capacidade de memorização e de concentração. 

Um dos integrantes do grupo é Hilton Alves da Silva de Lima, de 33 anos, que é usuário da rede há mais de dez anos. Seu primeiro contato com a música ocorreu ainda na infância, tocando pandeiro. “Eu toco tantanzinho e tinha um grupo com os meus primos. Comecei a tocar pandeiro quando eu tinha oito anos de idade. Eu passei aqui na unidade em 2011 e desde então começamos a praticar. Toda sexta-feira a gente ensaia e até saímos para fazer show”, pontua.

Ademilton Alves é usuário do serviço desde 2006 e relata que sempre se esforça para ser o melhor. “A gente faz de tudo, não somos doidos, a gente toma remédio, como quem toma remédio para diabete, vamos atrás dos nossos direitos, cantamos, dançamos e evoluímos sempre”, conta o usuário da rede, que demonstrou que tem muito energia e samba no pé durante a atividade.

O grupo também realiza apresentações externas em locais como a Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS), Universidade Anhanguera e Centro POP, na semana da Luta da Pessoa em Situação de Rua. “Temos intenção de circular também fora da rede de saúde, levando o projeto para a rede de produção artística de Santo André e do ABC”, comenta o monitor de oficina terapêutica, Augusto Lopes Ferreira.

O Caps possui diversas atividades terapêuticas que são realizadas dentro ou fora da unidade. O cuidado também é estendido para a família do usuário, no grupo de família. “Esse grupo é importante para fazer toda abordagem terapêutica com a família, que muitas vezes não entende o tratamento ou a doença. Além do cuidado oferecido ao usuário, a assistência se estende para família”, explica a enfermeira Vanessa Lachi.

Outras atividades - O Caps também explora as habilidades artísticas por meio do Sarau Violão e Poesia, idealizado pela psicóloga Ariane Gonçalves. Diagnosticada com transtorno bipolar, Maria de Lourdes Oliveira Ferreira, de 69 anos, passa no Caps há cerca de um ano e relata que o sarau é a sua atividade preferida.

“Muita coisa mudou depois que eu comecei a passar aqui. Minha família é outra comigo. O Caps me ergueu em todos os sentidos, minha família viu a melhora e está confiante. Eu gosto muito do Sarau e do grupo de samba. A atividade terapêutica que eu mais gosto é o Sarau”, diz a usuária do serviço.

O Caps reúne muitos usuários com aptidão e que se expressam através da arte. Arturo Peduzzi, de 64 anos, é um poeta nato que encanta profissionais e usuários com as suas poesias. “Uma moça estava chorando muito ao lado do caixão do avô e eu falei uma poesia para ela e esse presente fez bem para ela. Ela parou de chorar e ficou mais tranquila”, confidencia.
Seta
Versão do Sistema: 3.2.8 - 16/11/2022
Copyright Instar - 2006-2022. Todos os direitos reservados - Instar Tecnologia Instar Tecnologia