Ir para o conteúdo

Prefeitura Municipal de Santo André e os cookies: Nosso site usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Ao continuar você concorda com a nossa Política de Cookies e Privacidade.
OK
Prefeitura Municipal de Santo André
Acompanhe-nos:
Rede Social Facebook
Rede Social Instagram
Rede Social Youtube
Notícias
Enviar para um amigo!
Indique essa página para um amigo com seus dados
Obs: campos com asterisco () são obrigatórios.
Enviando indicação. Por favor, aguarde...
OUT
06
06 OUT 2022
SEGURANÇA PÚBLICA
​Patrulha Maria da Penha completa dois anos sem registro de feminicídio em Santo André
enviar para um amigo
receba notícias
Programa monitora e garante integridade física de 586 mulheres vítimas de violência
Santo André, 6 de outubro de 2022 -  A Patrulha Maria da Penha, pioneira na região do ABC, completa dois anos nesta quinta-feira (6) com um número para ser comemorado. Desde o lançamento do programa, nenhum caso de feminicídio foi registrado em Santo André.
 
Graças a um trabalho efetivo de fiscalização e garantia da integridade física de mulheres que foram vítimas de violência, além de uma rede de proteção e apoio que foi criada em Santo André, as mulheres contam com acompanhamento integral desde o momento em que são inseridas no programa por meio de medidas protetivas.
 
"Santo André se tornou uma referência na proteção e cuidado das mulheres. O trabalho realizado pela Patrulha Maria da Penha mostra que o cumprimento das leis e medidas protetivas com a nossa Guarda Civil Municipal têm resultados concretos, preservando vidas e punindo os responsáveis pela agressões, inclusive com a prisão", destaca o prefeito Paulo Serra.    
 
A patrulha atende e monitora 586 mulheres com a atuação direta da Guarda Civil Municipal (GCM). O trabalho se dá com rondas e visitas periódicas no endereço destas mulheres, obedecendo o ciclo de atuação da Lei Maria da Penha.          
 
Nestes dois anos do programa, 2.031 medidas protetivas foram expedidas pelo Poder Judiciário, e a Patrulha Maria da Penha atendeu 384 casos de violência, averiguação e descumprimento das medidas protetivas. Além disso, realizou 58 flagrantes e colocou 17 agressores à disposição da Justiça.        
 
Outra funcionalidade destacada pela GCM é a utilização do aplicativo Ana, sistema quer foi desenvolvido por um Guarda Civil Municipal da cidade de Paulínia, no interior paulista. Este app é disponibilizado exclusivamente para as mulheres que possuem medidas protetivas vigentes e que são atendidas pelo programa Patrulha Maria da Penha. 
 
Nas situações de risco à integridade física destas mulheres, a vítima aciona um botão que aciona um alarme no COI (Centro de Operações Integradas) da Prefeitura e também na sede da GCM. Desde o lançamento deste aplicativo, no ano passado, 147 mulheres fizeram a instalação em seus telefones e 41 chamados foram realizados por meio desta plataforma.      
 
Capacitação - A equipe de GCMs que compõem a Patrulha Maria da Penha realiza também um trabalho com palestras sobre violência de gênero, doméstica e familiar com funcionários da Frente Social de Trabalho e da EJA (Educação de Jovens e Adultos). 
 
Na última quarta-feira (5), a GCM Classe Especial Danielle Cristina de Lima Coelho realizou uma apresentação para funcionários que passaram a integrar o quadro de funcionários pela Frente Social de Trabalho da Prefeitura.       
 
Valter Silva, pedagogo da Prefeitura de Santo André, destaca que ações como essa atendem as beneficiárias e beneficiários do Programa Frente Social de Trabalho e servem para disseminar informações e orientações para fortalecer a proteção das mulheres. “Essa parceria ocorre pelo programa Transformando Vidas, da Escola de Governo do Executivo Andreense, com palestra, distribuição de cartilha e encaminhamentos de beneficiárias que compartilham suas histórias", pontua.       
 
Alem da Patrulha Maria da Penha, programa da Secretaria de Segurança Cidadã, o serviço Vem Maria, da Secretaria de Cidadania e Assistência Social, é outro exemplo de equipamento que atua de maneira integrada.    
 
"Nos dois anos do programa realizamos diversas ações conjuntas, como oficinas, palestras e seminários, visando prevenir o agravamento das situações de risco, por meio da informação, debate e reflexão coletiva junto à população nos territórios", destaca a coordenadora do Vem Maria, Solange Ferreira. 
 
Autor: Daniel Betega
Seta
Versão do Sistema: 3.2.10 - 11/01/2023
Copyright Instar - 2006-2023. Todos os direitos reservados - Instar Tecnologia Instar Tecnologia