Ir para o conteúdo

Prefeitura Municipal de Santo André e os cookies: nosso site usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Ao continuar você concorda com a nossa Política de Cookies e Privacidade.
ACEITAR
PERSONALIZAR
Política de Cookies e Privacidade
Personalize as suas preferências de cookies.

Clique aqui e consulte nossas políticas.
Cookies necessários
Cookies de estatísticas
SALVAR
Prefeitura Municipal de Santo André
Acompanhe-nos:
Rede Social Facebook
Rede Social Instagram
Rede Social Youtube
Notícias
Enviar para um amigo!
Indique essa página para um amigo com seus dados
Obs: campos com asterisco () são obrigatórios.
Enviando indicação. Por favor, aguarde...
MAI
14
14 MAI 2024
SAÚDE
Santo André ilumina prédios de roxo para conscientizar sobre doenças inflamatórias intestinais
enviar para um amigo
receba notícias
Estimativa é que cerca de 800 andreenses tenham diagnóstico da doença de Crohn, que não tem cura, mas tem tratamento
Santo André, 14 de maio de 2024 - Prédios públicos de Santo André, como o do CHM (Centro Hospitalar Municipal) e da Prefeitura, ganharam iluminação roxa durante o mês de maio para conscientizar a população sobre as DIIs (Doenças Inflamatórias Intestinais), representadas pela doença de Crohn e retocolite ulcerativa. Estima-se que 800 pessoas apenas em Santo André tenham diagnóstico positivo para as doenças.
 
Os sintomas mais comuns das doenças inflamatórias intestinais são dor abdominal, diarreia incapacitante, febre, anemia aguda, emagrecimento não intencional e sangramento ao evacuar. O diagnóstico começa pela consulta com clínico geral em uma das 35 unidades básicas de saúde de Santo André e depois acompanhamento e tratamento com gastroenterologista no Poupatempo da Saúde, dentro do Atrium Shopping, ou coloproctologia, com atendimento ambulatorial no CHM.
 
“A doença de Crohn e a retocolite ulcerativa não têm cura, o nosso desafio é proporcionar ao paciente uma vida mais próxima possível da normalidade, com os sintomas controlados. Mas, para isso, é fundamental que o diagnóstico seja feito precocemente, ou seja, que a doença seja descoberta ainda no início. O tratamento é clínico, com uso de medicamentos, incluindo os imunobiológicos que são de alto custo, mas fornecidos pelo SUS”, explicou a coordenadora da coloproctologia do CHM, Sandra Di Felice Boratto.
 
O diagnóstico é clínico e necessita de um conjunto de exames, de acordo com os sintomas relatados por cada paciente. Além de exames de sangue, muitas vezes são solicitados exames de imagens como colonoscopia, tomografias, além de outras investigações relacionadas ao trato intestinal. 
 
“O CHMSA passou por uma grande reformulação estrutural recentemente e se tornou um dos hospitais mais bem equipados da nossa região. Isso nos permite contar com uma equipe de coloproctologistas extremamente competente para dar conta de uma demanda crescente de pacientes diagnosticados com a doença de Crohn ou retocolite ulcerativa. Importante que o diagnóstico seja feito precocemente e por isso estamos chamando atenção com a iluminação roxa nos prédios públicos”, destaca o secretário de Saúde, Acacio Miranda.
 
De acordo com Sandra Boratto, as doenças inflamatórias intestinais estão associadas a um estilo de vida baseado em comidas industrializadas, pouca atividade física e alimentação inadequada. De acordo com a coordenadora, a enfermidade é mais comum no Sul e Sudeste do que nas outras regiões do Brasil e o ABC responde por cerca de 40% dos casos de todo o Estado de São Paulo.
 
Autor: Anderson Fattori
Seta
Versão do Sistema: 3.4.1 - 29/04/2024
Copyright Instar - 2006-2024. Todos os direitos reservados - Instar Tecnologia Instar Tecnologia